DESTAQUES

Notícias

Movimento a Serviço do Brasil é lançado com debate sobre os impactos da Reforma Administrativa

05 de Novembro de 2020 15:26:28


 

Na manhã desta quinta-feira (5), em um evento virtual, foi lançado o "Movimento a Serviço do Brasil", uma iniciativa composta por 25 entidades, que representam mais de 400 mil servidores públicos em todo o país. O Movimento tem como propósito debater a Reforma Administrativa apresentada pelo Ministério da Economia e pressionar o Congresso para que as medidas não sejam aprovadas. No lançamento, os debatedores abordaram os impactos das Propostas de Emenda à Constituição (PECs) 32 e 186.

Participaram do lançamento a coordenadora-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados (Fenajud) e vice-presidente do SERJUSMIG, Sandra Silvestrini; Isaac Lima, da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe); Alberto Ledur, da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Ministérios Públicos Estaduais (Fenamp); Cloves Silva, da Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco). O evento foi coberto por cerca de 20 veículos de imprensa. 

 

Redução da capacidade de atendimento

Um dos pontos fortes do debate foi a conexão entre o Serviço Público e as demandas da população por direitos. Sandra Silvestrini destacou a questão do combate à violência contra as mulheres, um assunto em destaque no Brasil neste momento. Segundo a coordenadora da Fenajud, o aumento das denúncias, estimulado por uma mudança cultural no país, precisa ser acompanhado por um incremento correspondente na oferta de serviços no Poder Judiciário.  

Todavia, a Reforma Administrativa promove o contrário, isto é, a retração da capacidade de atendimento à população. “Isso vai aumentar a demora na solução dos conflitos de violência doméstica, quando todos nós sabemos que o tempo nesses casos é fundamental, pode valer a própria vida”, pontuou Sandra. 

Caso a PEC 186 – conhecida como PEC Emergencial – seja aprovada, Sandra prevê uma queda de ao menos 103 mil casos solucionados de violência doméstica, em comparação com o último ano. “Quando pensamos nesses casos, que deixam de ser solucionados em virtude da redução do papel do Estado, da proteção da mulher e das vítimas em geral, temos uma situação grave, que a sociedade precisa verificar”, advertiu. 

 

Impactos orçamentários

A Reforma Administrativa tem sido apresentada como um conjunto de medidas que, entre outros fins, visariam a reduzir a pressão do serviço público sobre as despesas do Estado brasileiro. O impacto dessas mudanças, entretanto, pode gerar o efeito oposto, conforme prevê Cloves Silva, da Fenafisco. “O prejuízo na arrecadação financeira é muito grande”, avalia o auditor fiscal. 

Um exemplo seria a receita obtida nas varas de execuções fiscais do Judiciário, responsáveis pela cobrança de dívidas de empresas com o poder público. Dados do Conselho Nacional de Justiça mostram que, em 2019, o trabalho dessas varas recuperou R$ 47,9 bilhões em créditos tributários decorrentes de autuações dos fiscos municipais, estaduais e federal. 

Com a possível diminuição da carga horária de trabalho, com correspondente diminuição nos salários – uma previsão da PEC Emergencial –, a tendência é que o trabalho das varas de execuções fiscais seja prejudicado. “Nós teríamos um impacto direto na solução desses processos de execução fiscal. Numa conta simples de ser feita, isso poderia causar um impacto da ordem de R$ 12 bilhões por ano a menos na arrecadação nesse único segmento”, argumenta Cloves Silva. 

 

Corrupção na máquina pública 

Alberto Ledur, representante da Fenamp, abordou um dos impactos mais temidos da Reforma Administrativa, a substituição de quadros técnicos em funções estratégicas por cargos de confiança. Isto, segundo ele, favorecerá a corrupção nos processos eleitorais, na fiscalização de tributos, no Poder Judiciário e em outros âmbitos. 

“Haverá uma queda grande da capacidade técnica dos servidores, que deixam de passar por processos seletivos com ampla concorrência, com a proposta da PEC 32, de criação de diversos vínculos e a quebra da regra geral do concurso público”, alertou, acrescentando que políticos passariam a controlar fases importantes de processos públicos, em todos os níveis. 

 

Mais informações

O debate completo do evento que lançou o Movimento a Serviço do Brasil está disponível no YouTube. Para participar e acompanhar as ações do movimento, também é importante acessar o site oficial www.aservicodobrasil.com.br. Nele, constam vídeos e outros materiais informativos, bem como uma petição online contra a Reforma Administrativa. 

O SERJUSMIG participa dessa iniciativa, com as demais entidades que compõem o Movimento, e também constrói outras iniciativas em defesa dos Servidores públicos e contra a reforma proposta pelo governo federal.

 

#MovimentoaServiçodoBrasil
#Serjusmig
#UnirLutareVencer


<<< VOLTAR

Confira também:







SERJUSMIG :: Rua Guajajaras, 1984 - Barro Preto - CEP 30180-109 - Telefone: (31) 3025-3500 - Fax: (31) 3025-3521
Design por: Interlig
Desenvolvido por: Masterix Sistemas